Fim de caso

http://www.obeabadosertao.com.br/
A moça brigou com o namorado nas Furnas do Catete, onde tinham ido tomar caldo de cana e ver a cachoeira do Véu das Noivas que, por sinal, estava seca. Contou-lhe muitos desaforos, chamou-o de todos os nomes feios de que pôde se lembrar na hora. Namoravam há mais de três anos, namoro moderno desde o primeiro dia, posto que começou numa inocente festa de batizado e na mesma noite se consumou num motel da estrada Friburgo-Teresópolis.
O rapaz era bem pobre, mas ela, que tinha até um Fiat 82, não se importava com isso e, sem constrangimento, dormia com ele na meia-água em que ele morava em Conselheiro, sendo que o verbo dormir é aí um eufemismo. Quantas vezes ele jurou amor, e quantas vezes planejaram casamento, só contando as areias de todas as praias brasileiras para se saber.
De repente, sem mais por quê, ele vem com a conversa de “dar um tempo”, “quem sabe no futuro”. Até em “a gente se conhecer melhor” o miserável falou. Faltava conhecer o quê? “Você me conhece de todas as maneiras, só não me viu ainda morta”, disparou, e era verdade. Pegou o Fiat 82 e se mandou, ele que visse de ônibus. Ou a pé. Tomara que venha a pé e seja atropelado.
No Prado, já mais calminha, jurou para si mesma que nunca mais olharia para aquele desgraçado, aliás nunca mais falaria o nome dele: Zé Luiz. Parou na entrada de Duas Pedras, apanhou o caderninho que estava no porta-luvas e riscou o nome do celular dele (Metido: não tem onde cair morto, mas anda de celular pendurado na orelha). Um pouquinho mais difícil era apagar o número da cabeça, sabia aquela desgraça de cor há muito tempo).
Nunca mais queria saber dele. O ódio era tanto que quase estacionou no pátio do Hospital Raul Sertã para pedir um calmante. Resolveu não dar tanta confiança para aquele mequetrefe, um pé rapado e, pra falar a verdade, muito ruim de cama. Não que tivesse conhecido outro, mas podia jurar que Zé Luiz era um amante muito frouxo. Bom para se encher de cerveja, que ela pagava, e depois dormir e roncar.
Furou o sinal quando entrou na Galdino do Valle Filho, felizmente não tinha carro atravessando, mas um pedestre fez um gesto obsceno, que ela respondeu com outro pior ainda. Era católica, mas ao passar pela Igreja Luterana fez o sinal da cruz e jurou que nunca mais queria saber de namorar lixo, daqui para frente só se aparecer um homem de verdade.
Canalha, patife, bandido, corno, de tudo isso ela o chamou enquanto atravessava o Paissandu, embora o último adjetivo não fizesse sentido. À medida que se aproximava de Olaria, a raiva diminuía. No Cônego, já estava em paz consigo mesma. Ele não presta mesmo. Não ia perder tempo por causa de um homem que nem emprego fixo tinha e, além de tudo, era bem feio, um nariz que parecia tromba de elefante. Sim, não ia dar a ele o prazer de achar que ela estava sofrendo. Nunca mais procuraria por ele, e mesmo que ele a procurasse, ia dispensar numa boa.
Tinha chorado um pouco, ainda restavam umas lágrimas escorrendo pelas bochechas. Mas estava resolvida: nunca mais queria saber daquela porcaria de homem. Chegou à Cascatinha, onde morava com os pais.
Mas antes de ir para casa, parou num orelhão e discou o número do celular de Zé Luiz.


Robério José Canto


Robério José Canto é licenciado em Letras, tendo se dedicado ao ensino de português e literatura em escolas da rede particular e pública, lecionando em Nova Friburgo, sua cidade natal, e no Rio de Janeiro. Há longos anos colabora com imprensa friburguense, abordando temas de literatura e cultura em geral. Mantém a coluna Escrevivendo, em A Voz da Serra, no qual semanalmente publica crônicas e contos, além de eventualmente colaborar com outras seções do jornal. Publicou os livros “Um lugar muito lá”, “Ventos nas casuarinas”, “Menina com flor”, “O infinitivo e outros males”, “Onde dormem as nuvens” e “Toda criança merece ter um bicho”. Dentre outras distinções, recebeu o título de Cidadão Pleno Destas Terras de D. João VI, conferido pela Cidade de Nova Friburgo e o GAMA - Grupo de Arte Movimento e Ação;  a Moção Especial de Louvor  “pela valorosa  obra em prol da cultura e da Educação”, concedida pela Câmara Municipal de Nova Friburgo, e o Troféu Pégaitaz Irenee René, como um dos “Melhores do ano de 2015”, por decisão do Conselho de Representantes de Eventos Culturais de Nova Friburgo, “Diploma de Mérito Cultural”, outorgado pela Academia Nacional de Letras e Artes – ANLA; agraciado com Menção Honrosa pela Academia Ferroviária de Letras, dentre as Personalidades de Destaque de 2015. O 3º. Concurso Literário da Câmara Municipal de Nova Friburgo conferiu aos vencedores o Troféu Robério Canto. É presidente da Academia Friburguense de Letras, ocupando a Cadeira no. 4, patronímica de Alphonsus de Guimarães.

Nenhum comentário:

Postar um comentário