Biografia dos Patronos: Inglês de Sousa


Herculano Marcos Inglês de Sousa (Óbidos, 28 de dezembro de 1853) foi um professor, advogado, político, jornalista e escritor brasileiro, tido como introdutor do naturalismo na literatura brasileira por meio do seu romance O Coronel Sangrado publicado em Santos em 1877 e um dos membros fundadores da Academia Brasileira de Letras, responsável pela fundação da cadeira 28.

Inglês, que escreveu inicialmente com o pseudônimo Luiz Dolzani, ganhou reconhecimento literário após a publicação da obra O Missionário, no ano de 1891. Em suas obras, é perceptível a influência de escritores europeus, tais como Eça de Queirós e Emile Zola.

Inglês também teve notável carreira política, começou como militante do Partido Liberal em 1878. Tendo sido eleito deputado provincial (equivalente aos atuais deputados estaduais) pela província de São Paulo, foi nomeado Presidente das províncias de Sergipe e do Espírito Santo. Foi também convidado várias vezes para integrar o Supremo Tribunal Federal, porém nunca aceitou.

Pouco antes de falecer, Ingles de Sousa foi eleito deputado federal pelo seu estado natal, o Pará, nas eleições nacionais de março de 1918.

Nascido no município paraense de Óbidos, Herculano Marcos Inglês de Sousa era filho do desembargador Marcos Antônio Rodrigues de Sousa e de Henriqueta Amália de Góis Brito, membros de tradicionais famílias paraenses. Herculano, que estudara inicialmente nos estados do Pará e Maranhão, graduou-se em direito, em São Paulo, pela Faculdade do Largo de São Francisco , no ano de 1876.

Inglês, que fundara diversos jornais e meios de comunicação, tornara-se secretário do Tribunal da relação do estado de São Paulo em maio de 1878 e posteriormente presidente de Sergipe e em seguida do Espírito Santo.

Publicou dois romances em 1876, O Cacaulista e História de um Pescador, aos quais seguiram-se mais dois, todos publicados sob o pseudônimo Luís Dolzani. Com Antônio Carlos Ribeiro de Andrada e Silva publicou a partir de 1877 a Revista Nacional, versando sobre ciências, artes e letras.

Foi o introdutor do naturalismo no Brasil, porém seus primeiros romances não tiveram repercussão. A principal características de sua obra é o enfoque no homem amazônico, acima da paisagem e do exotismo da região.

Compareceu às sessões preparatórias da criação da Academia Brasileira de Letras (ABL), responsável pela fundação da cadeira 28, que tem como patrono Manuel Antônio de Almeida.

Tornou-se conhecido com O Missionário (1891), que, como toda sua obra, revela influência de Zola. Neste romance descreve com fidelidade a vida numa pequena cidade do Pará, revelando agudo espírito de observação, amor à natureza, fidelidade a cenas regionais.
Principais obras

Obras literárias
  •     O Cacaulista, publicado sob o pseudônimo de Luís Dolzani pela Tipografia do Diário de Santos, Santos - romance (1876)
  •     História de um pescador (também sob o pseudônimo de Luís Dolzani), publicado pela Tipografia do Diário de Santos, Santos - romance (1876)
  •     O Coronel Sangrado, publicado na Revista Nacional de Ciências, Artes e Letras, São Paulo - romance (1877) e em volume na Tipografia do Diário da Manha, São Paulo, 1882 (ainda sob pseudônimo de Luís Dolzani)
  •     O Missionário, publicado sob o pseudônimo de Luís Dolzani pela Tipografia do Diário de Santos, Santos- romance (1888)
  •     O Missionário, segunda edição revista pelo autor e com um prólogo de Araripe Júnior, publicado em dois volumes pela Editora Laemmert, Rio de Janeiro
  •     Contos Amazônicos, publicado pela Editora Laemmert, Rio de Janeiro, (1892)
  •     O Missionário, terceira edição, sob a direção de Aurélio Buarque de Holanda (que fez o prefácio, a revisão e o apêndice), publicado pela Editora José Olímpio, Rio de Janeiro, 1946.
Obras jurídicas e artigos
  •     Artigos e ensaios de critica literária e filosófica - publicados no jornal Lábaro, Recife (1873)
  •     Reforma e Regulamento da Instrução Publica, Aracaju, Sergipe, (1881)
  •     Relatório com que o Exm. Sr. Dr. Herculano Marcos Inglez de Souza entregou no dia 9 de dezembro de 1882 ao Exm. Sr. Dr. Martim Francisco Ribeiro de Andrada Junior a administração da Província do Espírito Santo.
  •     Títulos ao portador no direito brasileiro, Editora Francisco Alves, Rio de Janeiro, (1898)
  •     Projeto de Código Comercial, Imprensa Nacional, Rio de Janeiro, (1912)
Faleceu no Rio de Janeiro, em 6 de setembro de 1918.

Fonte: Wikipedia

Nenhum comentário:

Postar um comentário