Biografia dos Patronos: Euclides da Cunha


Euclides Rodrigues da Cunha (Cantagalo, 20 de janeiro de 1866) foi um engenheiro, militar, físico, naturalista, jornalista, geólogo, geógrafo, botânico, zoólogo, hidrógrafo, historiador, sociólogo, professor, filósofo, poeta, romancista, ensaísta e escritor brasileiro.

Euclides nasceu na fazenda Saudade, em Cantagalo, filho de Manuel Rodrigues da Cunha Pimenta e Eudóxia Alves Moreira da Cunha. Órfão de mãe desde os 3 anos, passa a viver em casas de parentes em Teresópolis, São Fidélis e Rio de Janeiro. Em 1883 ingressa no Colégio Aquino, onde foi aluno de Benjamin Constant, que muito influenciou a sua formação introduzindo-lhe à filosofia positivista. Em 1885, ingressa na Escola Politécnica, e no ano seguinte, na Escola Militar da Praia Vermelha, onde novamente encontra Benjamin Constant como profes

Foi eleito em 21 de setembro de 1903 para a cadeira 7 da Academia Brasileira de Letras na sucessão de Valentim Magalhães, e recebido em 18 de dezembro de 1906 pelo acadêmico Sílvio Romero.

A esposa de Euclides, conhecida como Anna de Assis, veio a tornar-se amante de um jovem cadete 17 anos mais novo do que ela chamado Dilermando de Assis. Ainda casada com Euclides, teve dois filhos de Dilermando. Um deles morreu ainda bebê. O outro filho era chamado por Euclides de "a espiga de milho no meio do cafezal", por ser o único louro numa família de morenos. Aparentemente, Euclides aceitou como seu esse menino louro.

A traição de Anna desencadeou uma tragédia em 1909, ao que Euclides entrou armado na casa de Dilermando dizendo-se disposto a matar ou morrer. Dilermando reagiu e matou Euclides, mas foi absolvido pela justiça militar ao ser julgado. Entretanto,
até hoje o episódio, conhecido como Tragédia da Piedade, é alvo de controvérsias. Dilermando mais tarde casou-se com Anna e seu casamento durou 15 anos.

O corpo de Euclides foi velado na ABL. O médico e escritor Afrânio Peixoto, que assinou o atestado de óbito, mais tarde ocuparia sua cadeira na Academia.

Principais obras

1884
  •     CUNHA, Euclides da. Em viagem: folhetim. O Democrata, Rio de Janeiro, 4 abr. 1884.
1887
  •     A flor do cárcere. Revista da Família Acadêmica, Rio de Janeiro, 1 (1): 10, nov. 1887.
1888
  •     A Pátria e a Dinastia. A Província de São Paulo, 22 dez. 1888.
  •     Críticos. Revista da Família Acadêmica, Rio de Janeiro, 1(7): 209-213, maio 1888.
  •     Estâncias. Revista da Família Acadêmica, Rio de Janeiro, 1 (10): 366, out. 1888.
  •     Fazendo versos. Revista da Família Acadêmica, Rio de Janeiro, 1(3): 87-88, jan. 1888.
  •     Heróis de ontem. Revista da Família Acadêmica, Rio de Janeiro, 1(8): 227-8, jun. 1888.
  •     Stella. Revista da Família Acadêmica, Rio de Janeiro, 1(9): 265, jul. 1888.
1889
  •     Atos e palavras. A Província de São Paulo, 10-12, 15, 16, 18, 23, 24 jan. 1889.
  •     Da corte. A Província de São Paulo, maio 1889.
  •     Homens de hoje. A Província de São Paulo, 22 e 28 jun. 1889.
1890
  •     Divagando. Democracia, Rio de Janeiro, 26 abr. 1890.
  •     Divagando. Democracia, 24 maio 1890.
  •     Divagando. Democracia, 2 jun. 1890.
  •     O ex-imperador. Democracia, 3 mar. 1890.
  •     Sejamos francos. Democracia, Rio de Janeiro, 18 mar. 1890.
1892
  •     Da penumbra. O Estado de S. Paulo, 15, 17 e 19 mar. 1892.
  •     Dia a dia. O Estado de S. Paulo, 29 e 31 mar. 1892.
  •     Dia a dia. O Estado de S. Paulo, 1-3, 5-8, 10, 13, 17, 20, 24 e 27 abr. 1892.
  •     Dia a dia. O Estado de S. Paulo, 1, 8, 11, 15, 18 e 22 maio 1892.
  •     Dia a dia. O Estado de S. Paulo, 5, 12, 22 e 29 jun. 1892.
  •     Dia a dia. O Estado de S. Paulo, 3 e 6 jul. 1892.
  •     Instituto Politécnico. O Estado de S. Paulo, 24 maio 1892.
  •     Instituto Politécnico. O Estado de S. Paulo, 1o. jun. 1892.
1894
  •     A dinamite. Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, 20 fev. 1894.
1897
  •     A nossa Vendeia. O Estado de S. Paulo, 14 mar. 1897 e 17 jul. 1897.
  •     Anchieta. O Estado de S. Paulo, 9 jun. 1897.
  •     Canudos: diário de uma expedição. O Estado de S. Paulo, 18 e 22-29 ago. 1897.
  •     Canudos: diário de uma expedição. O Estado de S. Paulo, 1, 3, 9, 12, 14, 21, 26 e 27 set. 1897.
  •     Canudos: diário de uma expedição. O Estado de S. Paulo, 11-13, 20, 21 e 25 out. 1897.
  •     Distribuição dos vegetais no Estado de São Paulo. O Estado de S. Paulo, 4 mar. 1897.
  •     Estudos de higiene: crítica ao livro do mesmo título do Doutor Torquato Tapajós. O Estado de S. Paulo, 4, 9 e 14 maio 1897.
  •     O Argentaurum. O Estado de S. Paulo, 2 jul. 1897.
  •     O batalhão de São Paulo. O Estado de S. Paulo, 26 out. 1897.
1898
  •     O "Brasil mental". O Estado de S. Paulo, 10-12 jul. 1898.
  •     Excerto de um livro inédito. O Estado de S. Paulo, 19 jan. 1898.
  •     Fronteira sul do Amazonas. O Estado de S. Paulo, 14 nov. 1898.
1899
  •     A guerra no sertão [fragmento]. Revista Brasileira, Rio de Janeiro, 19 (92/93): 270-281, ago./set. 1899.
1900
  •     As secas do Norte. O Estado de S. Paulo, 29, 30 out. 1900 e 1o. nov. 1900.
  •     O IV Centenário do Brasil. O Rio Pardo, São José do Rio Pardo, 6 maio 1900.
1901
  •     O Brasil no século XIX. O Estado de S. Paulo, 31 jan. 1901.
1902
  •     Os Sertões: campanha de Canudos. Rio de Janeiro: Laemmert, 1902. vii + 632 p. il.
  •     Ao longo de uma estrada. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 18 jan. 1902.
  •     Olhemos para os sertões. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 18 e 19 mar. 1902.
1903
  •     Os Sertões: campanha de Canudos. 2. ed. rev. Rio de Janeiro: Laemmert, 1903. vii + 618 p. il.
  •     Viajando… O Estado de S. Paulo, São Paulo, 8 set. 1903.
  •     À margem de um livro. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 6 e 7 nov. 1903.
  •     Os batedores da Inconfidência. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 21 abr. 1903.
  •     Posse no Instituto Histórico. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, 66 (2): 288-93, 1903.
1904
  •     A arcádia da Alemanha. O Estado de S. Paulo, 6 ago. 1904.
  •     Civilização. O Estado de S. Paulo, 10 jul. 1904.
  •     Conflito inevitável. O Estado de S. Paulo, 14 maio 1904.
  •     Contra os caucheiros. O Estado de S. Paulo, 22 maio 1904.
  •     Entre as ruínas. O Paiz, Rio de Janeiro, 15 ago. 1904.
  •     Entre o Madeira e o Javari. O Estado de S. Paulo, 29 maio 1904.
  •     Heróis e bandidos. O Paiz, Rio de Janeiro, 11, jun. 1904.
  •     O marechal de ferro. O Estado de S. Paulo, 29 jun. 1904.
  •     Um velho problema. O Estado de S. Paulo, 1o. maio 1904.
  •     Uma comédia histórica. O Estado de S. Paulo, 25 jun. 1904.
  •     Vida das estátuas. O Paiz, Rio de Janeiro, 21 jul. 1904.
1905
  •     Os Sertões: campanha de Canudos. 3. ed. rev. Rio de Janeiro: Laemmert, 1905, vii + 618 p. il.
  •     Rio abandonado: o Purus. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, 68 (2): 337-89, 1905.
  •     Os trabalhos da Comissão Brasileira de Reconhecimento do Alto Purus [Entrevista]. Jornal do Commercio, Manaus, 29 out. 1905.
1906
  •     Relatório da Comissão Mista Brasileiro-Peruana de Reconhecimento do Alto Purus: 1904-1905. notas do comissariado brasileiro. Rio de Janeiro: Ministério das Relações Exteriores, 1906. 76 p. mapas.
  •     Da Independência à República. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, 69 (2): 7-71, 1906.
  •     Os nossos "autógrafos". Renascença, Rio de Janeiro, 3 (34): 276, dez. 1906.
1907
  •     Contrastes e confrontos. Pref. José Pereira de Sampaio (Bruno). Porto: Empresa Literária e Tpográfica, 1907. 257 p.
  •     Contrastes e confrontos. 2. ed. ampliada. Estudo de Araripe Júnior. Porto: Empresa Literária e Tipográfica, 1907. 384 p. il.
  •     Peru 'versus' Bolívia. Rio de Janeiro: Jornal do Commercio, 1907. 201 p. il.
  •     Castro Alves e seu tempo. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 3 dez. 1907.
  •     Entre os seringais. Kosmos, Rio de Janeiro, 3 (1), jan. 1906.
  •     O valor de um símbolo. O Estado de S. Paulo, 23 dez. 1907.
1908
  •     La cuestión de limites entre Bolívia y el Peru. trad. Eliosoro Vilazón. Buenos Aires: Cia Sud-Americana de Billetes de Banco, 1908.
  •     Martín Garcia. Buenos Aires: Cori Hermanos, 1908. 113 p.
  •     Numa volta do passado. Kosmos, Rio de Janeiro, 5 (10), out. 1908.
  •     Parecer acerca dos trabalhos do Sr. Fernando A. Gorette. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, 71 (2): 540-543, 1908.
  •     A última visita. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 30 set. e 1o. out. 1908.
1909
  •     Amazônia. Revista Americana, Rio de Janeiro, 1 (2): 178-188, nov. 1909.
  •     A verdade e o erro: prova escrita do concurso de lógica do Ginásio Nacional [17 maio 1909]. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 2 jun. 1909.
  •     Um atlas do Brasil: último trabalho do Dr. Euclides da Cunha. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 29 ago. 1909.
Obras póstumas
  •     À margem da história. Porto: Chardron, Lello, 1909. 390 p. il.
1975
  •     Caderneta de campo. Introd., notas e coment. por Olímpio de Souza Andrade. São Paulo, Cultrix; Brasília, INL, 1975. xxxii, 197 p. il.
  •     Canudos: diário de uma expedição. Introd. de Gilberto Freyre. Rio de Janeiro: José Olympio, 1939. xxv, 186 p. il.
  •     Ondas. Coleção de poesias escritas por Euclides da Cunha em 1883, publicadas em 1966, na "Obra Completa de Euclides da Cunha", pela Editora Aguilar, e em volume autônomo em 2005, pela Editora Martin Claret, com prefácio de Márcio José Lauria.
Faleceu no Rio de Janeiro, em 15 de agosto de 1909.

Fonte: Wikipedia

Nenhum comentário:

Postar um comentário